Por Bruno & Jeferson.
~ Sunday, April 29 ~
Permalink
petitsluxes:

Issey Miyake
RTW F/W 12/13

petitsluxes:

Issey Miyake

RTW F/W 12/13


1 note
reblogged via boldtales
~ Saturday, April 21 ~
Permalink

Fashion Hollywood: Marilyn Monroe.

             

Retomando a série de ícones de Moda no cinema, a celebridade tema desse texto é uma das mais mitificadas do cinema: a sensual e loira Marilyn Monroe.

Para quem não sabe, Marilyn Monroe nem sempre foi loira mas, foi somente com os cabelos mais claros que ela ficou mundialmente famosa. Além disso, virou símbolo, nos anos 50 do estilo Pin-up,loiracabelos ondulados, muitas curvas e com a mistura de sensualidade e ingenuidade.

             

A atriz americana, nasceu em 1926, em Los Angeles, com identidade de pai desconhecido e com o nome de Norma Jean Baker. Devido a saúde mental debilitada da mãe, Norma Jean passou a infância entre casas de família e orfanatos. Em 1937 e por pouco tempo, foi morar com Grace McKee Goddard, amiga da família. Em 1942, o marido de Grace foi tranferido para a Costa Leste dos EUA e não tinha condições de levar Norma Jean.

Aos 16 anos, sozinha, Norma Jean casou-se com seu então namorado Jimmy Dougherty, que ao se inscrever na marinha e tranferido para o pacífico sul, em 1944, ela se viu novamente sozinha. Ela começou a trabalhar na fábrica Radio Plane Munitoon, onde foi descoberta pelo fotógrafo Davis Conover.

               

Em dois anos, o fotógrafo começou a enviar propostas de trabalho como modelo para Norma Jean. Com a volta do marido, ela teve que decidir entre o casamento e a carreira, optando pela segunda,divorciando-se em 1946. Pouco tempo depois, tinge os cabelos e virou ícone de beleza, com seu loiro platinado, lábios carnudoscurvasolhos marcados de delineador e muita sensualidade.

Além da sensualidade, que virou sua marca, Marilyn Monroe (nome artístico que adotou posteriormente) tinha como característica sua vulnerabilidade e inocência. O sucesso de Marilyn aconteceu em “Torrentes de Paixão” (1953) e nos filmes, “Os Homens preferem as Loiras”(1953), de Howard Hawks; e em “Como agarrar um milionários” (1953), de Jean Negulesco.

                  Blondies

O filme “O Pecado Mora ao lado” (1955), que Marilyn ficou conhecida mundialmente, devido a cena célebre do vestido que voa devido o vento de um escapamento do metrô. O vestido de frente úncia branco virou a peça mais famosa do mundo.

A atriz estrelou ainda os filmes: “Nunca Fui santa” (1956), de Joshua logan; “Quanto mais quente melhor” (1959), de Billy Wilder, no qual  seu talento como atriz foi reconhecido, ganhando o Globo de Ouro de Melhor atriz.

Através de seus inúmeros casamentos, divórcios e casos amorosos famosos (com até então presidente americano John Kennedy), que Marilyn também ficou famosa. Ela personalizou o glamour e a sensualidade que encantou (e encanta) o mundo até hoje.

                  OPecado


Permalink

Preto Japonista

“Quando os japonistas introduziram o preto na moda, nos anos 80, a cor só era usada pelos punks e góticos. Virou febre entre os fashionistas”. Lembra Costanza Pascolato.

O guarda-roupa ficou preto quando estilista de passaporte japonês uniformizaram as fashionistas com suas peças desconstruídas e supersóbrias. 

Filiação: rei kawakubo, da comme des Gaçons, e Yohji Yamamoto chacoalharam o status quo da moda nos anos 80 com peças negras sobrepostas e esfarrapadas, ofuscando a stravaganza vigente e alçando o preto ao posto de cor vedete dos fashionistas.

Trajetória: Corria o ano de 1881 quando ambos estrearam nas passarelas de Paris. A coleção de Kawakubo foi descrita pelo Le Figado como “apocalíptica, digna de sobreviventes de um holocausto nuclear”. O frisson foi imediato, já que não se usava preto no dia a dia.

DNA: cor oficial do anticonformismo dês de que Chanel inventou o LDB (little Black dress), em 1926 ( depois disso foi dotada pelos rebeldes com causa da geração beat, pelos punks e pelos góticos), o preto era o tempero perfeito para a moda transgressora dos japonistas. “A cor terminou ganhando conotação superfashion, extraordinária. Quem gostava e acompanhava moda na época só vestia preto”, Confirma Costanza Pascolato.

Para quem: e dá melhor quem possui coloração forte e contrastante, ou seja, pele branquinha e cabelos escuros, como Amanda Harlech, Natalie Portman e Dita Von Teese. 


~ Thursday, April 19 ~
Permalink

14,214 notes
reblogged via docealgodao
Permalink

tumblrbot said: WHERE WOULD YOU MOST LIKE TO VISIT ON YOUR PLANET?

All the world is mine. Just need determination to achieve it


Permalink

Alexander McQueen

É importante olhar para a morte, porque ela é parte da vida. É triste, melancólico, mas ao mesmo tempo romântico. É o fim de um ciclo e tudo precisa de um fim. O clico da vida é positivo, porque dá espaço para novas coisas.” 
 Alexander MacQueen.

Opulência.

                 

 

McQueen promovia em seus desfiles ouro aplicações preciosas, brocados e o vermelho imperial recebiam tratamento de couture e protagonizavam looks espetaculosos e extravagantes.


                                                Caveirismo

                JewelsMc

McQueen foi hábil em tornar suas crenças pouco ortodoxas em hits comerciais. A caveira, por exemplo, virou símbolo absoluto da grife, seja como fecho de clutches ou estampando foulards copiados á exaustão.

Xadrez

O xadrez de tartãn, padronagem tradicional das highlands escocesas, apareceu pela primeira vez no desfile de inverno de 1996 e desde então ganhou releituras frescas e nada caricatas.


Permalink

Trend: Couro.

O uso do couro  é quase obrigatório nas estações mais frias do ano, pois, além de agregar um charme  todo especial à produção, o couro é um material resistente, que aquece muito bem quem o usa. Porém, em algumas temporadas o couro chega tímido, aparecendo somente em alguns desfiles, e muitas vezes somente como um detalhe na peça; e em outras transforma-se no hit do inverno; e foi isto que aconteceu com o couro durante os desfiles internacionais para a temporada outono/inverno 2012, ele reinou absoluto em praticamente todas as grifes. Para o inverno 2012  o couro foi apresentado de várias formas, para agradar a todos os estilos, desde o couro mais leve, até o mais pesado; passando pelos couros coloridos e os couros com texturas diferenciadas.

GlamJacket

O couro estará presente tanto em produções femininas, quanto nas roupas masculinas; serão casacos, sobretudos, calças, saias, shorts, vestidos, jaquetas e coletes confeccionados com este material tão especial. E a procedência do couro também sofreu variação, tendo algumas marcas optado pelo couro sintético, ao contrário de grifes tradicionais que não abriram mão do couro legítimo.

As cores do couro também estarão diversificadas; o couro colorido, que já foi bem explorado no inverno passado, expande ainda mais o seu domínio e deixa o inverno 2012 multicolorido. Além das cores tradicionais, como caramelo, marrom e preto, também estarão presentes na próxima temporada outono/inverno 2012 o couro verde musgo, amarelo, laranja, vermelho, azul, branco, mostarda e roxo. Além do couro com texturas e do couro com estampa de cobra python, que virá tanto com a cor natural, quanto colorido.

A mistura de texturas e peso também continuará no próximo inverno, vindo com o couro mesclado a tecidos leves e fluídos, ou mesclados a tricô e renda. E este mix de materiais e texturas também será encontrado nas produções masculinas. Assim como, o couro sendo utilizado somente como um pequeno detalhe nas peças, e peças com aplicações sobre o couro. Também estarão presente no inverno 2012, os acessórios tradicionais de couro, como bolsas e botas, algumas com cano até à coxa.


Permalink

Permalink
petitsluxes:




Léonard
RTW F/W 12/13

petitsluxes:

Léonard

RTW F/W 12/13


2 notes
reblogged via boldtales
Permalink
The History and the Make Up

The History and the Make Up

(Source: h-e-r-o-i-n)


18,892 notes
reblogged via docealgodao
Permalink

336 notes
reblogged via vocazionestetica
Permalink

Mr. Style: Moda para Eles

Margaret Howell declarou em entrevista que o irá fazer seu desing abusar de “roupas contemporâneas para homens com qualidade duradoura”, e nada é mais evidente do que com este casaco verde-oliva trespassado de sua faixa MHL. Este algodão sarja-cover-up fará uma camada ideal de transição devido a seu revestimento parcial, para transpirar marca fuss-livre do rótulo de cool por parceria com arrebitado chinos e brogues. 

Mostrado aqui com um Viktor & Rolf cardigan, Polo Ralph Lauren T-shirt, calças PS by Paul Smith e sapatos Oliver Spencer.



~ Wednesday, April 18 ~
Permalink

Mr. Style: Moda para Eles

Mr.Style

Injetar um elemento artesanal em sua coleção de jeans como este da Rag & Bone. Uma alternativa atraente para a normalidade do básico azul e preto, a cor marrom terra irá manter sua forma ocasional. Este par robusto pode ser completado por peças básicas:

Uma T-shirt Branca.


T-shirt Básica

E um Boot de camurça irá ajustá-lo à Perfeição

boot


~ Tuesday, April 17 ~
Permalink

Fashion Hollywood: Audrey Hepburn

Ninguém mais do que Audrey Hepburn virou símbolo de beleza e estilo. Até hoje a atriz belga é lembrada como a mais elegante da história.

A atriz nasceu Audrey Kathleen Ruston, em Bruxelas (Bélgica) em 1929 e era filha única de Joseph Anthony Ruston e de Ella Van Heemstra (que era uma baronesa). Posteriormente, Audrey teve anexado no seu nome de batismo, pelo seu pai, o sobrenome que ficou conhecida: Hepburn.

Audrey Hepburn

A princípio, Audrey sempre foi o “patinho feio”, por se alta demais, magra e de pés excessivamente grandes. Em um mundo onde as baixinhas, de curvas generosas e olhos claros imperavam, ela precisou se impor como um tipo diferente de beleza.

O primeiro filme de Hepburn foi “Monte Carlo Baby” (1951), mas foi com “A Princesa e o Plebeu”(1953) que ela ficou conhecida e também lhe conferiu o Oscar de Melhor atriz em 1954.

Outros filmes ficaram marcados na carreira da atriz como: “Sabrina” (1954), filme de Billy Wilder e que tem um figurino incrível; “Cinderela em Paris” (1957), musical que atriz estrelou com Fred Astaire“Uma Cruz na beira do abismo” (1959), filme que Audrey Hepburn mais gostou de ter feito; o emblemático “Bonequinha de Luxo” (Breakfast at Tiffany’s, 1961); “My Fair Lady” (1964), entre outros.

Audrey Hepburn foi musa de nada mais do que Givenchy, que a vestia na maioria dos seus filmes. Chique não?! Mas, não só de filmes e moda Hepburn se dedicou. Muitos anos antes de Angelina Jolie,Audrey Hepburn foi nomeada embaixadora do Unicef, trabalhou como voluntária para causas infantis.

Não só o rosto lindo, mas Audrey Hepburn era uma mulher simples e autentica em suas crenças ecausas. É considerada a eterna “bonequinha de luxo” pela sua elegancia atemporal.


Permalink
Look By:
Azzedine Alaïa.

Look By:

Azzedine Alaïa.